Atrativos Turísticos Patrimoniais

     Dentre seus atrativos turísticos patrimoniais, destaca-se o Forte Junqueira construído em 1175 para defender o território brasileiro contra invasões espanholas. O Forte foi tombado em 1975 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Arquitetônico Nacional (IPHAN). Atualmente, serve como sede para artilharia de costa do 18º Brigada de Infantaria de Fronteira do Exército Brasileiro..

     O Forte Junqueira foi construído em 1871, logo após a Guerra do Paraguai, numa área privilegiada, de onde se avista o rio Paraguai e o Pantanal em toda sua plenitude. Os doze canhões de 75mm foram fabricados na cidade de Essem pela indústria Fried Krupp por volta de 1872,porém nunca foram usados. As paredes do Forte são de calcário e tem meio metro de espessura. Está situado hoje dentro do Quartel do 17º Batalhão de Fronteira e o nome Junqueira homenageia o Ministro da Guerra da época, José de Oliveira Junqueira.

     O Cristo Rei do Pantanal, e esculpido pela artista Izulina Xavier, é uma estátua de 12 metros de altura, disposta no alto do Morro do Cruzeiro, de onde se observa uma vista panorâmica da região. Recentemente, a estrada que viabiliza o acesso ao Cristo foi construída com pavimento rígido, viabilizando a visitação com carros de passeio e ônibus de turismo, inclusive na época de chuvas. Além disso, ao longo do trajeto foram instaladas estátuas que ilustram as cenas da Via Sacra percorrida por Jesus, que também foram confeccionadas pela artista Izulina Xavier.

     Outro atrativo turístico aberto para visitação,localizado no centro da cidade , é a Art Zu, onde reside a artesã Izulina Xavier. Nesse local, são expostos os artesanatos confeccionados em pó de pedra e concreto, cerâmica e entalhes de madeira. O jardim da residência é repleto de esculturas alusivas aos animais silvestres e conta com painéis artísticos que retratam a historia do município.

     O Instituto Luiz de Albuquerque – ILA é um edifício histórico de arquitetura francesa construído em 1922 para abrigar um grupo escolar . Instituição vinculada a Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, abriga atualmente uma biblioteca em catalogação, uma exposição permanente de viola de cocho, além de exposições temáticas temporárias, entre outras atividades. Neste espaço são ministradas aulas de teatro, música e atividades circenses.

     A Casa do Artesão de Corumbá funciona em prédio histórico,numa construção que já foi um presídio entre os anos de 1905 a 1970. Nesse local, os artesãos pantaneiros expõem seus produtos confeccionados em couro de peixe, madeira, cerâmica, trabalhos em pintura, bordado e crochê. O turista também pode adquirir artesanato indígena e licores caseiros, inclusive elaborados com a bocaiúva,uma palmeira comum nos Cerrados e n o Pantanal.

     A Casa do Massa Barro, é um local com fins educacionais,para incentivar a arte em cerâmica. Foi fundada em 4 de outubro de 1982, no bairro Cervejaria. Seus artesãos são adolescentes carentes, que aprendem a esculpir em argila,a fauna e a flora pantaneira, ricas em detalhes e cores. O artesanato produzido no local é bastante conhecido e comercializado para outras regiões do país e do exterior.

    Duas praças podem ser visitadas: a Praça da República, que já foi uma fortificação militar, um dos locais onde aconteceu a batalha final da Retomada de Corumbá contra as tropas paraguaias e a Praça da Independência, que foi inaugurada em 1817, época em que a cidade passou por um desenvolvimento econômico acentuado, quando os ricos comerciantes da região mantinham contato com a cultura européia e importaram o coreto da praça e o mosaico do calçamento da parte externa, ambos da Alemanha, além de quatro esculturas, que representam as Quatro Estações do Ano, esculpidas empedra de mármore de carrara, da Itália. As plantas nativas da região como o carandá, a bocaiúva e o ipê fazem parte da arborização da praça. Nela, também existem estátuas e monumentos erguidos em homenagem aos heróis da Guerra do Paraguai e da 2º Guerra Mundial .

     O Porto Geral de Corumbá, localizado nas margens do rio Paraguai, é um dos principais atrativos turísticos da cidade, recebendo embarcações de pescadores profissionais-artesanais, esportivos e barcos-hotéis. Atualmente, o Porto já não possui a mesma importância para a cidade e passa por um processo de reforma,objetivando a implantação de rede de iluminação subterrânea e de obras que possibilitem melhorias em relação ao embarque e desembarque de passageiros. A principal rua de acesso ao Porto, denominada Manoel Cavassa, conta com 53 casarios históricos, que foram tombados como Patrimônio Histórico Cultural em 1985 .

    Dentre esses casarios históricos, destacam-se o Prédio Wanderley Baís & Cia, construído entre 1890 e 1900 por Francisco Mariano Wanderley e Bernardo Franco Baís. O material utilizado para a construção, como escadas, colunas de ferro, piso e vidros, foram trazidos da Europa. O estilo de linhas neoclássicas pode ser observado nos três pavimentos do casarão. A empresa Wanderley Bais & Cia realizava transporte de cargas e passageiros entre os portos de Corumbá e Cuiabá. Mantinha, também negócios com os centros europeus.

    Outro casarão localizado no Porto Geral e de destaque arquitetônico é a Casa Vasquez e Filho, situada na Ladeira José Bonifácio, 161. O casarão construído em 1909 foi projetado no estilo "art-nouveau", pelo arquiteto italiano Martino Santa Lucci, radicado em Corumbá, por volta de 1880. Sua fachada frontal possui grades e esquadrias originais, sendo que na parte interna, encontram-se uma escadaria de vários produtos regionais e a importação de farinha de trigo. Atualmente, na Casa Vasques e Filho pertence a Agripino de Oliveira Lima e encontra-se totalmente abandonada, com muitas infiltrações e ocupada por famílias que vivem em situação precária.

Fonte: VIANNA, M. A. A importância do casario do porto de Corumbá. Universidade Católica Dom Bosco: Campo Grande,2000.
Site: Corumbá.com.br