Impactos Ambientais e Sócio-Econômicos no Pantanal

Erosão do soloNas últimas três décadas o Pantanal vêm sofrendo agressões pelo homem, praticadas não somente na planície, mas principalmente nos planaltos adjacentes. Atualmente, os impactos ambientais e sócio-econômicos no Pantanal são bastante evidentes, decorrentes da inexistência de um planejamento ambiental que garanta a sustentabilidade dos recursos naturais desse importante bioma. A expansão desordenada e rápida da agropecuária, com a utilização de pesadas cargas de agroquímicos, a exploração de diamantes e de ouro, nos planaltos, com utilização intensiva de mercúrio, são responsáveis por profundas transformações regionais, algumas das quais vem sendo avaliadas pela Embrapa Pantanal, como a contaminação de peixes e jacaré por mercúrio e diagnostico dos principais pesticidas.
A remoção da vegetação nativa nos planaltos para implementação de lavouras e de pastagens sem considerar a aptidão das terras e a adoção de práticas de manejo e conservação de solo, além da destruição de habitats, acelerou os processos erosivos nas bordas do Pantanal. A conseqüência imediata tem sido o assoreamento dos rios na planície, a qual tem intensificado as inundações, com sérios prejuízos à fauna, flora e  economia do Pantanal.

Baixo Taquari - árvores mortas devido à inundaçãoO assoreamento do rio Taquari constitui, hoje, o principal problema do Pantanal e de Mato Grosso do Sul, com inundações quase permanentes de uma área aproximada de 11.000 Km2 nas sub-regiões da Nhecolândia e Paiaguás. A pecuária, principal atividade econômica, desta região tem sido drasticamente afetada.

A Embrapa Pantanal, preocupada com esse quadro de degradação ambiental da bacia do rio Taquari vem desenvolvendo, desde 1994,   vários estudos que objetivam entender e quantificar as relações de causa e efeito que ocorrem nos planaltos, e que se refletem no Pantanal. Podemos destacar nestes estudos para a bacia do alto Taquari (BAT), o uso do solo, a avaliação e o mapeamento do potencial das perdas de solo, a evolução da erosividade das chuvas e a utilização de pesticidas na BAT. Na planície do rio Taquari, estão sendo avaliadas e realizadas as taxas  temporais de deposição de sedimento, a partir da década de 70, o estudo do aporte, transporte e deposição de sedimento, evolução do regime hidrológico, bem como, as alterações na vegetação, avaliação da qualidade da água e impactos na ictiofauna e na sócio-economia.

As informações geradas neste estudos de impacto ambientais e sócio-econômicos, visam subsidiar políticas, legislação, programas, planos e ações de desenvolvimento para esta importante região do Pantanal.

A implementação do gasoduto Brasil/Bolívia, abre algumas perspectivas industriais para a região, mas poderá desencadear  alterações nos ecossistemas aquáticos do Pantanal e da bacia platina.

Além disso, a hidrovia Paraguai-Paraná desperta a atenção da sociedade pelos impactos que poderá promover. Da mesma forma, a construção de estradas, diques e canais devem ser precedidas de estudos de impacto ambiental e sócio-econômico. Todas estas obras, possivelmente, serão avaliadas pela Embrapa Pantanal em momento oportuno .

VoçorocaNo rio Taquari, o fechamento de canais naturais, o restabelecimento de margens e de arrombados devem ser meticulosamente avaliados do ponto de vista ambiental e sócio-econômico, demandado atenção especial das autoridades pelos sérios prejuízos que estão causando à economia do Pantanal.

A caça e pesca clandestinas e a introdução de espécies exóticas se constituem também em graves ameaças à preservação dos recursos naturais desta região, devendo merecer a atenção especial das autoridades competentes.

A pesada utilização de agroquímicos nos planaltos adjacentes ao Pantanal é uma outra grave ameaça à biodiversidade dos ecossistemas do Pantanal.

O ecoturismo, embora seja uma das principais alternativas sócio-econômicas para a região, necessita de planejamento para ser explorado em bases sustentáveis.

Todo esse conjunto de problemas atuais e potenciais decorrentes da atividade humana nos planaltos e na planície, demonstra que as ações a serem implementadas numa bacia hidrográfica devem ser alicerçadas em estudos integrados, onde as relações de causa e efeito necessitam estar bem delineadas e aceitas pela sociedade.

 
 

Referências Bibliográficas:

ADAMOLI, J.  Diagnóstico do Pantanal: características ecológicas e problemas
     ambientais. Brasília: PNMA, 1995. 50 p.

ALHO, C. J. R.; VIEIRA, L. M.  Fish and wildlife resources in Pantanal wetlands
     of Brazil and potential disturbances from the release of environmental

     contaminants. Environmental Toxicology Chemistry, v.16, n. 1, p. 71-74,

     1997.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente dos Recursos Hídricos e da
    Amazonia Legal (Brasília, DF). Plano de Conservação da Bacia do

    Alto Paraguai (Pantanal) – PCBAP: análise integrada e
    prognóstico da Bacia do Alto Paraguai. Brasília, 1997. 369 p.,

    anexos. Programa Nacional do Meio Ambiente. Projeto Pantanal.

GALDINO, S.; CLARKE, R. T.; PADOVANI, C. R.; SORIANO, B. M. A;
    VIEIRA, L. M.   Evolução do regime hidrológico na planície do baixo

    curso do rio Taquari – Pantanal. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE

    RECURSOS HÍDRICOS, 12., 1997, Vitória. Anais... Vitória. Associação

    Brasileira de Recursos Hídricos, 1997. p. 383-390.

SILVA, J. dos S. V. da; ABDON, M. de M.; SILVA, M. P. da; ROMERO, H. R.
   Levantamento do desmatamento no Pantanal brasileiro até 1990/91.

   Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 33, p. 1739-1745,

   out., 1998. Número Especial.