Flora do Pantanal

A flora do Pantanal é constituída por plantas migradas do Cerrado, da Amazônia (por exemplo, camalote-da-meia-noite e vitória-régia), do Chaco e da Mata Atlântica, ocorrendo raras espécies exclusivas (endêmicas) do Pantanal. Entretanto, os arranjos das espécies são característicos da região.

A vegetação do Pantanal é muito variada, principalmente em função da inundação e do solo. Geralmente distribuídas em mosaico, as principais paisagens são:

. Baías: lagoas temporárias ou permanentes de tamanho variado, podendo apresentar  muitas espécies de plantas aquáticas emergentes, submersas, ou flutuantes. Nas águas permanentes são comuns os camalotes (Eichhornia, Pontederia) e o baceiro ou batume, vegetação flutuante, formada principalmente por ciperáceas e diversas plantas aquáticas.  As plantas aquáticas são importantes ambientes para a fauna aquática.

. Cordilheira: pequenas faixas de terreno não inundável, com 1 a 3 metros acima do relevo adjacente, com vegetação de cerrado, cerradão ou mata.

. Cambarazal: mata inundável de cambará (Vochysia divergens), árvore amazônica.

. Campos: áreas inundáveis, com predominância de gramíneas. É a formação vegetal mais importante do Pantanal. Eventualmente são confundidos como um resultado do desmatamento.

. Capão: mancha de vegetação arbórea, de cerrado, cerradão ou mata, formando verdadeiras ilhas nos campos.

Imagem: Rossana Maria Gobbi . Carandazal: campos inundáveis e capões com dominância de carandá (Copernicia alba), uma palmeira do Chaco, com folhas em forma de leque, parente da carnaúba do Nordeste, e com madeira utilizada para cercas e construções.

. Corixo: curso d´água de fluxo estacional, com calha definida (leito abandonado de rio), geralmente com mata ciliar.

. Paratudal: campo com árvores de paratudo (Tabebuia aurea), que é um dos ipês-amarelos.

. Salinas: distintas, são lagoas de água salobra, sem cobertura de plantas aquáticas mas com grande densidade de algas, o que confere cor verde à água.

. Vazante: curso d´água temporário, amplo, sem calha definida; no período seco geralmente é coberta por gramíneas como o mimosinho (Reimarochloa), preferido pelo gado e por herbívoros silvestres.
 

Referências Bibliográficas:

ABDON, M. de M.; POTT, V. J.; SILVA, J. dos S. V. da.  Avaliação da cobertura
    por plantas aquáticas em lagoas da sub-região da Nhecolândia no pantanal

    por meio de dados Landsat e Spot.  Pesquisa Agropecuária Brasileira,

    Brasília, v. 33, p. 1675-1681,out., 1998. Número Especial.

ABDON, M. de M.; SILVA, J. dos S. V. da; POTT, V. J.; POTT, A. SILVA, M. P.
    da. Utilização de dados analógicos do Landsat-TM na discriminação da

    vegetação de parte da sub-região da Nhecolândia no Pantanal. Pesquisa

    Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 33, p. 1799-1813, out., 1998. Número

    Especial.

SILVA, J. dos S. V. da; ABDON, M. de M., BOOCK, A ; SILVA, M. P. da.
   Fitofisionomias dominantes em parte das sub-regiões do Nabileque e Miranda,

   sul do Pantanal. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 33, p.

   1713-1719, out., 1998. Número Especial.

POTT, A.; POTT, V.J.  Plantas do Pantanal.  Brasília: Embrapa-SPI, 1994. 320 p.

POTT, V.J.;  POTT, A.  Plantas aquáticas do Pantanal.  Brasília: Embrapa-SPI,
    1999. 368 p.